BRASIL

26/03/2018 as 08:27

RAPIDINHAS DO PAPITO: Agenda é decisiva para novas apostas da selic

Poque uma rapidinha tem sempre o seu valor


Arte/ Aisllan Peixoto<?php echo $paginatitulo ?>

... Na semana mais curta da Páscoa, os mercados globais continuam atentos às negociações entre EUA e China para evitar uma guerra comercial. Sinais de que as conversas avançam podem recuperar as bolsas em NY e dar à BOVESPA a chance de uma boa arrancada com os juros baixos. A ata do COPOM (3ªF) e o RTI (5ªF) devem trazer detalhes dos planos do BC para derrubar a SELIC. Já o STF e o caso LULA são o maior desconforto.

... Investidores podem começar a precificar o risco de LULA ficar livre e incendiar a campanha eleitoral e, mais do que isso, de conseguir disputar o Planalto, diante das incertezas sobre o que decidirá o STF no dia 4.

... Não se falou de outra coisa no fim de semana, nas colunas políticas e nas redes sociais, onde MBL e Vem Pra Rua convocam a população para manifestações no dia 3, que visam pressionar os ministros do Supremo.

... Hoje, os desembargadores do TRF-4 se reúnem em Porto Alegre, às 13h30, para julgar o embargo declaratório da defesa de LULA, que deve encerrar o processo na segunda instância. Mas ele não poderá ser preso.

... O salvo-conduto concedido pela Suprema Corte, na 5ªF, para manter LULA em liberdade até o julgamento do habeas corpus, mudou a história e está sendo alvo de muitas especulações sobre o que acontecerá.

... Na 6ªF, os mercados (ainda) mantiveram o sangue-frio, acreditando que a prisão teria sido apenas adiada, mas os debates sobre uma manobra jurídica que está em jogo no STF deu uma nova compreensão dos fatos.

... No melhor cenário, o habeas corpus é julgado e Rosa WEBER votará com a jurisprudência do Tribunal. Neste caso, o placar ficaria em 6 X 5 contra o HC de LULA ou 6 X 4, se GILMAR Mendes não comparecer.

... Se Rosa surpreender, votando de acordo com as suas convicções pessoais, o resultado se inverte, com 6 X 5 pela concessão do habeas corpus. Sem GILMAR, o 5 X 5 favorece LULA, já que o empate é pró-réu.

... Outro risco seria um dos ministros apresentar pedido de vista, para pressionar o Supremo a votar antes as Ações Declaratórias de Constitucionalidade, para rever o entendimento atual da prisão em segunda instância.

... O pedido de vista impediria o julgamento do HC e o salvo-conduto pode ser mantido ad eternum.

... A orquestração de uma ala do STF para mudar a jurisprudência da prisão em segunda instância tem provocado uma chuva de críticas de iniciados e leigos, mas é o sonho dos réus poderosos e de políticos encrencados.

... No caso de LULA, o risco de um pedido de vista ou a concessão do habeas corpus são o pior cenário, que tenderia a produzir muito barulho no período eleitoral, apesar da inelegibilidade do ex-presidente.

... LULA ficaria ativo na campanha até o último minuto, na tentativa de transferir os seus votos ao plano B do PT. Ou, na hipótese mais ambiciosa do partido, lutaria por uma liminar no STJ para ser ele próprio o candidato.

... A palavra final é do TSE, mas, diante da subversão constitucional que o Brasil testemunha, essa possibilidade não pode ser descartada. O momento é de incertezas e as apostas se tornaram mais arriscadas.

MORO - Juiz da Lava-Jato será o entrevistado de hoje, ao vivo, do programa Roda Viva, a partir das 22h15.

AGENDA - O mercado de JUROS terá uma semana decisiva para consolidar as apostas de que a SELIC poderá cair para 6% ou perto disso, depois que o COPOM já contratou novo corte moderado para a próxima reunião.

... Amanhã, 3ªF, será divulgada a ata do último COPOM e, na 5ªF, o Relatório Trimestral de Inflação (1TRI).

... Os dois documentos devem trazer mais detalhes a respeito do balanço de riscos e da intenção do BC de já indicar uma queda adicional de 25 pontos-base em maio, para 6,25%, antes de encerrar o ciclo.

... Mesmo a previsão de encerrar o ciclo em maio mereceu ressalvas no comunicado do COPOM, que sinalizou a possibilidade de o juro continuar caindo se a inflação continuar surpreendendo abaixo da meta.

... Ainda nesta semana, serão divulgados os indicadores fiscais de fevereiro, com as contas do Governo Central (3ªF) e o resultado consolidado (4ªF), além da nota de crédito do mesmo mês (hoje, às 10h30).

... Segundo o Depto de Economia do BRADESCO, as contas públicas devem seguir apresentando evolução positiva das receitas, com a influência de recursos extraordinários, e o crédito reforçando a recuperação gradual.

... No lado da inflação, o IGP-M de março (4ªF) deverá subir 0,70%, impulsionado pelos preços agropecuários.

... Na agenda internacional, destaque para os índices de preços nos EUA, com o PCE (5ªF), e a revisão final do PIB/4TRI (4ªF), que podem ajustar as expectativas para o ritmo do aperto dos juros americanos.

... Neste sentido, são importantes as falas dos FED Boys, hoje com DUDLEY (13h30) e LORETTA Mester (17h30).

... Na zona do euro, que entrou ontem no horário de verão, as bolsas de Londres, Frankfurt, Paris, Milão, Madri e Lisboa passam a operar das 4h às 12h30 (Brasil). Na 5ªF, tem inflação na Alemanha e PIB/Reino Unido.

RESILIÊNCIA - A BOVESPA não tem se deixado influenciar pelo clima de medo que tomou conta de WALL STREET, desde que TRUMP anunciou tarifas de US$ 60 bilhões para a importação de produtos chineses.

... Na semana passada, DOW e S&P-500 perderam mais de 5% e NASDAQ, mais de 6%. Aqui, no entanto, a perda foi modesta, de apenas 0,60%, com o mercado só esperando as coisas se acalmarem lá fora para voltar a subir.

... A inesperada mensagem do COPOM, que previu a SELIC a 6,25% em maio, ajuda a sustentar o otimismo.

... Na 6ªF, o IBOVESPA fechou em baixa de 0,46%, aos 84.377,19 pontos, com giro de R$ 10,2 bilhões.

... PETROBRAS PN (+0,14%, R$ 21,75) e ON (+0,34%, R$ 23,71) ficaram de lado, apesar da disparada do petróleo. Já VALE ON (-0,79%, R$ 41,60) sentiu de leve a queda do minério de ferro na China (-3,87%, US$ 64,58/t).

... Entre os bancos, subiram ITAÚ PN (+0,48%, R$ 50,16) e BRADESCO PN (+0,68%, a R$ 38,48).

... No câmbio, apesar de o DÓLAR ter enfraquecido no exterior, a moeda subiu 0,24%, na 6ªF, para R$ 3,3164. Na semana, subiu 1,17%. Alguns traders citaram a decepção com o STF como motivo de cautela.

... Já os JUROS futuros oscilaram pouco, à espera da agenda importante desta semana. O IPCA-15 de março (0,10%) veio em linha com as expectativas, corroborando a tese de que ainda há espaço para a SELIC cair.

... O DI para janeiro/2019 passou de 6,239% para 6,240%. Janeiro/2020 ficou estável em 7,14%. O contrato para janeiro/2021 subiu de 8,06% para 8,07%. E o DI para janeiro/2023 passou de 8,99% para 9,05%.

NEGOCIANDO COM A CHINA - Em entrevista neste domingo, à Fox News, o secretário do Tesouro/EUA, Steven MNUCHIM, confirmou que TRUMP não está blefando no pacote tarifário de US$ 60 bilhões para a China.

... A boa notícia é que ele revelou que a Casa Branca está negociando com Pequim e que, pessoalmente, ele está "cautelosamente otimista" de que um acordo poderá ser alcançado para evitar a guerra comercial.

... Segundo apurou a agência Dow Jones, MNUCHIM está considerando uma viagem à China para prosseguir as negociações, que abrangem amplos setores, incluindo serviços financeiros e manufatura.

... As discussões nos bastidores podem ser um alívio para os temores de guerra comercial que inundaram os mercados internacionais e podem garantir uma reação positiva das bolsas americanas, hoje.

... Na 6ªF, investidores voltaram a vender ações em massa, levando Wall Street a encerrar a pior semana janeiro de 2016. Os índices até chegaram a operar no azul pela manhã, com dados positivos, mas não resistiram.

... O DOW Jones caiu 1,77% e atingiu o menor nível do ano, aos 23.533,20 pontos (5,7% na semana). O S&P 500 recuou 2,10%, a 2.588,26 pontos (6% na semana). E o NASDAQ, -2,43%, a 6.992,67 pontos (6,5% na semana).

... Nos TREASURIES, a preocupação derrubou os juros, como resultado da demanda defensiva. O rendimento de dois anos recuou de 2,278% para 2,262% e o do papel de dez anos caiu de 2,822% para 2,810%.

... No câmbio, o DÓLAR caiu ante o IENE (104,70/US$), o EURO (US$ 1,2368) e a LIBRA (US$ 1,4147).

PETRÓLEO - A confirmação de John BOLTON como novo Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca e a possibilidade de prorrogação dos cortes na produção pela OPEP fizeram os preços dispararem, na 6ªF.

... O novo membro da equipe de TRUMP é conhecido por sua visão "linha-dura" em relação ao Irã, o que reforça as apostas de que os EUA aumentarão as sanções contra o país, o que pode afetar sua produção.

... Além disso, o ministro de Energia saudita disse que a OPEP poderá prorrogar os cortes na oferta até 2019.

... O WTI para maio avançou 2,46% na NYMEX (US$ 65,88) e o BRENT, subiu 2,23% (US$ 70,45).

EM TEMPO... RI HAPPY suspendeu IPO previsto para esta semana devido à volatilidade do mercado.

GUARARAPES. Flavio ROCHA anunciou que deixará diretoria no fim de abril para concorrer ao Planalto

... GUARARAPES distribuirá juros de R$ 0,42/ON E R$ 0,46/PN. Ex em 29/03.

BANRISUL planeja abrir capital de operação de cartões no nível 1 da B3.

ELETROPAULO. ENEL confirma envio de proposta para participar de aumento de capital.

BR DISTRIBUIDORA. Assembleia em 25/04 elegerá nove membros do conselho.

RAIA DROGASIL fará emissão de debêntures de R$ 400 milhões.

ECORODOVIAS emitirá R$ 130 milhões em debêntures.

USIMINAS propõe à AGO dividendo de R$ 0,0475 por PN. Ex em 26/04.

BRADESPAR. AGO analisará proposta de dividendo de R$ 1,2850/PN; Ex em 02/05.

RANDON distribuirá dividendo de R$ 0,0459/ação. Ex em 02/05.

BANCO PAN pagará juros de R$ 0,0611/ação. Ex em 02/04.

ANIMA HOLDING sugere à AGO dividendo de R$ 0,2536/ação. Ex em 26/04.

ROSSI encerra 2017 com prejuízo de R$ 338,891 milhões.

COPEL adia divulgação de resultados de 2017 para o dia 12/04.

KEPLER WEBER. Prejuízo sobe de R$ 22,1 milhões em 2016 para R$ $ 34,3 milhões em 2017.

BANCO INDUSVAL reduz prejuízo no 4T17 em 17,7%, para R$ 61,6 milhões.

OMEGA GERAÇÃO. Lucro sobe 1.209% no 4T17, para R$ 115,2 milhões.

COMGÁS propõe à AGO orçamento de capital para 2018 de R$ 500 milhões.

FITCH eleva ratings da LOCAMÉRICA e da UNIDAS para AA(Bra), com perspectiva estável.

TOTVS. ABERDEEN reduz participação para 4,87% do capital.

 

*Com Informações de Rosa Riscala


Tópicos Recentes