POLÍCIA

09/03/2018 as 09:01

ONG mexicana revela que Aracaju é a 18ª cidade mais violenta do mundo, governo rebate números

O Brasil é o país com o maior número de cidades entre as 50 áreas urbanas mais violentas do mundo, segundo ranking divulgado nesta semana pela organização de sociedade civil mexicana Segurança, Justiça e Paz, que faz o levantamento anualmente com base em taxas de homicídios por 100 mil habitantes

BBC Brasil

Annaclarice Almeida/DP<?php echo $paginatitulo ?>

São 17 cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes listadas no ranking, que é encabeçado pela mexicana Los Cabos (com 111,33 homicídios por 100 mil habitantes em 2017) e pela capital venezuelana, Caracas (111,19).

Natal (RN) aparece em quarto lugar, com 102,56 homicídios por 100 mil habitantes - para se ter uma ideia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera uma taxa acima de 10 homicídios por 100 mil habitantes como característica de violência epidêmica.

Outras cidades brasileiras que aparecem no ranking são Fortaleza (CE), Belém (PA), Vitória da Conquista (BA), Maceió (AL), Aracaju (SE), Feira de Santana (BA), Recife (PE), Salvador (BA), João Pessoa (PB), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Macapá (AP), Campos de Goycatazes (RJ), Campina Grande (PB), Teresina (PI) e Vitória (ES).

Fortaleza, em especial, é destacada no relatório por sua taxa de homicídios ter subido 85% entre 2016 e 2017 - de 44,98 para 83,48.

O crescimento da violência em cidades menores - e, sobretudo, do Norte e Nordeste brasileiros - alarma especialistas há mais de uma década. Como o Brasil não investiga seus homicídios (mais de 90% deles ficam impunes), é difícil identificar com total certeza as relações de causa e consequência no que diz respeito à violência urbana.

Mas estudiosos do tema apontam fenômenos como guerra de facções criminosas, avanço do tráfico de drogas e crescimento urbano sem a oferta de serviços de segurança eficazes como alguns dos motivos mais prováveis para a explosão da taxa de homicídios em cidades outrora pacatas.

Em grandes capitais, onde pode haver maior número absoluto de homicídios, a taxa é menor, já que resulta do cálculo do total de assassinatos dividido pelo tamanho da população. São Paulo, por exemplo, teve taxa de 8,02 homicídios por 100 mil habitantes em 2017; o Rio, que vive uma crise de segurança pública, viu sua taxa crescer de 29,4 em 2016 para 32 homicídios por 100 mil habitantes no ano passado.

O ranking mostra ainda que a América Latina é o continente com o maior número de cidades violentas do mundo: das 50 listadas no ranking, apenas oito não são latino-americanas.

Doze das cidades estão no México, país que vive anos de enfrentamentos entre cartéis de drogas e forças de segurança.

Los Cabos, uma das cidades mais turísticas do país, entrou pela primeira vez na lista já assumindo o topo do ranking. Segundo o relatório da Segurança, Justiça e Paz, Los Cabos passou de 61 homicídios em 2016 para 365 em 2017. Reportagem de 2017 do jornal The New York Times diz que a cidade virou um "paraíso para turistas e um inferno para moradores", em grande parte por conta de brigas de gangues que disputam entre si o controle de rotas viárias e pontos de venda de drogas.

Acapulco, também no México, aparece em terceiro lugar do ranking por apresentar um cenário semelhante.

Segundo a Segurança, Justiça e Paz, o país não tem "uma ação para a erradicação sistemática das milícias privadas e dos grupos criminosos e permitiu que a impunidade chegasse aos piores níveis já registrados".

Há também cinco cidades venezuelanas com as maiores taxas de homicídio do mundo, no momento em que o país enfrenta uma grave crise política e aguda escassez de alimentos, medicamentos e bens básicos.

A organização mexicana destaca, porém, a dificuldade em obterem-se dados estatísticos oficiais confiáveis na Venezuela: "Quatro milhões de venezuelanos deixaram o país, mais da metade deles nos últimos três anos", diz o relatório. "Como resultado, as estimativas oficiais de população não são reais, nem as taxas de homicídio baseadas nelas - mas sim mais altas."

A surpresa hondurenha

Mas nem tudo são notícias ruins: em muitas violentas cidades centro-americanas, a taxa de homicídios caiu.

O principal destaque nesse ponto é San Pedro Sula, em Honduras, que caiu do terceiro para o 26º posto do ranking entre 2016 e 2017. Os homicídios caíram 54% em apenas um ano.

"Essa mudança extraordinária não ocorreu por acaso, mas sim por resultado de um esforço do governo em erradicar células criminosas, agir contra delitos (...) cometidos pelas gangues e colocar ordem nas prisões", diz o relatório.

Três cidades brasileiras que figuravam no ranking de 2016 deixaram de aparecer em 2017. São elas: Curitiba (PR), Cuiabá (MT) e São Luís (MA).

A Segurança, Justiça e Paz diz que elabora o ranking com "o objetivo político cidadão de chamar atenção à violência nas cidades, sobretudo na América Latina, para que governantes se vejam pressionados a cumprir com seu dever de proteger os governados e garantir seu direito à segurança pública".

A organização usa como critério a taxa de homicídios por 100 mil habitantes oficial em cidades de 300 mil habitantes ou mais, além de fontes jornalísticas e informes de ONGs e organismos internacionais.

São excluídas do levantamento cidades de países em conflito bélico aberto, como Síria, Iraque, Afeganistão e Sudão, sob a justificativa de "a maioria das mortes violentas (nessas cidades) não corresponderia à definição universalmente aceita de homicídio, mas sim mortes provocadas por operações de guerra, segundo a classificação da OMS".

O governo do estado de Sergipe se manifestou por nota. Nela, justificou que a ONG mexicana utilizou parâmetros equivocados dando a capital sergipana números que correspondem a região da chamada grande Aracaju onde estão as cidades da Barra dos Coqueiros, Socorro e São Cristóvão.

 

Confira nota oficial

A pesquisa divulgada pelo Organização de Sociedade Civil mexicana Segurança, Justiça e Paz, apesar da reiteradas correções feitas pela Secretaria da Segurança Pública nos últimos anos, continua contabilizando equivocadamente a população de Aracaju como de 951.073 pessoas, quando na verdade, segundo o próprio IBGE, é de 650.106 pessoas.

A ONG informa em sua pesquisa 234 homicídios dolosos a mais atribuídos à cidade de Aracaju. Um equívoco crasso e que expõe negativamente nossa cidade. Verifiquem a conta feita pela pesquisa: ela atribui que foram 560 homicídios dolosos em Aracaju, quando na verdade este número é a soma dos homicídios registrados na capital (326), Barra dos Coqueiros (41), Nossa Senhora do Socorro (134), São Cristóvão (84), totalizando 585 casos, quase 20 casos a mais.

A taxa de homicídios dolosos em Aracaju em 2017 foi de 50,15% em 2017, quase oito pontos em taxa por 100 mil habitantes abaixo do divulgado. A ONG se baseia em informações aleatórias e não formaliza pedidos junto ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública e não usa a Lei de acesso à informação para resgatar dados oficiais dos órgãos públicos, como deveria ser feito em qualquer levantamento sério, criterioso e consistente .

A Secretaria da Segurança Pública de Sergipe lamenta os equívocos e a falta de cuidado da ONG mexicana, que, mesmo com contatos formais da Segurança Pública de Sergipe, não corrige os equívocos. Nossas taxas de crimes violentos ainda são altos, mas não põem nossa capital na condição de adversidade apresentada pela Organização de Sociedade Civil mexicana Segurança, Justiça e Paz.


Tópicos Recentes